Sunday, November 12, 2006

A vida responsável

Conduzir mas sem ter um acidente,
comprar massas e desodorizantes
e cortar as unhas às minhas filhas.
Madrugar outra vez e ter cuidado
Em não dizer inconveniências,
Esmerar-me na prosa de umas folhas
E estou-me nas tintas para elas,
Retocar de vermelho cada face.
Lembrar-me da consulta ao pediatra,
Responder ao correio, estender roupa,
Declarar rendimentos, ler uns livros,
Fazer umas chamadas telefónicas.
Bem gostaria de me dar ao luxo
De ter o tempo todo que quisesse
Para fazer só coisas esquisitas,
Coisas desnecessárias, prescindíveis
E, sobretudo, inúteis e patetas.
Por exemplo, amar-te com loucura.


Amalia Bautista



Image Hosted by ImageShack.us

2 comments:

marta said...

que subtileza...a imagem está incrível.

wiki said...

e se amor fosse a palavra inventada para nos consolar a triste constatação da paixão ser coisa efémera; da loucura ser um estado que se deseja e seduz apenas enquanto permanece do dominio do desejo; do belo e do pleno só o serem enquanto conceitos.

se amor fosse (só) isso, era uma pena. doce pena, mas pena.
"amar-te com loucura" ... andará assim tão distante de levar as crianças ao pediatra quando podia estar a apaixonar-me pela proxima desconhecida disponivel que me seduzisse numa mesa de café a ler o meu livro de cabeceira?
obviamente, pergunto-me.

a foto está fabulosa!