Tuesday, December 4, 2007

Estou a ver a casa e estou a ver-me nela:
confusamente embora as portas ao fechar-se
fazem cair-me as pálpebras, suas noites de Inverno
são só meus pés frios, é carne desta carne
ou eu sou pedra dela e ela é como casca
diminuta em meu bolso e eu como uma caixa
já vazia de chá em seu ventre de barco.

Mas é a minha casa, ou a casa que eu tive,
Onde escolher maças para adoçar-me a boca
E andar pelos armários com a boneca partida
Até ao armário partido com portas catedrais
Que guardavam o estrume para outras sementeiras.



María Victoria Atencia



Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

6 comments:

firmina12 said...

delicioso poema e bem ilustrado

Luis said...

creepy....




(deliciosamente ;-)

lebredoarrozal said...

:)

menina limão said...

uma vez fiz uma recolha de fotos da rachel stone. mas nunca as consegui em tamanho tão grande! como é que fazes, ó ranhosa?

:)*

lebredoarrozal said...

:P
são coisas que nem a lebre sabe explicar.

menina limão said...

:P