Wednesday, September 24, 2008

Ela gostava de tudo aquilo: da mesa da cozinha, dos pequenos bancos de madeira, das árvores que conseguia ver da janela, de uma certa pureza do ar que a obrigava a renunciar aos prazeres de adulto: aquele tempo tinha uma marca infantil. Crescera naquela casa.Mas agora acabou: estava já crescida. Como uma investigação que termina, ela sentia que chegara ao fim. Já não cresço, murmura.Não havia necessidade de não ser sincera: estava sozinha, podia dizer a verdade.



Gonçalo M. Tavares



Photobucket

1 comment:

menina limão said...

perfeito perfeito perfeito