Monday, September 22, 2008

Estragas-me a paz.
e eu preciso das minhas solidões,
de bocados mentais sem ti.

Começo a ser doença obsessiva
ao repetir-me por poemas isto:
as tuas invasões à minha paz.
(Podia até em jeito original
por aqui umas notas sobre ti:
cf., vide: textos tal e tal)
Mas é que a minha paz fica toda es-
tragada quando te penso amor.

Interrompi os versos por laranjas.
E volto sempre a ti mesmo que não.
É estranho que pacíficas laranjas
não me consigam afastar de ti.



Ana Luísa Amaral



Photobucket

5 comments:

nils said...

E continua o meu blogue favorito no sua dissimulada acalmia cítrica...

Frioleiras said...

lindíssimo e sim, concordo

quase na totalidade

com o comentador de cima...

Patrícia Coelho said...

Um amor assim é desamor a si também. Nos consome, como fazemos com as laranjas.
Gosto muito deste sítio.

firmina12 said...

eu ando a comer maçãs. as escolhas aqui são sumptuosas

lebredoarrozal said...

obrigada:)